Nydia Blas

Depois de observar a falta de espaço da comunidade para as adolescentes de ascendência africana em Ithaca, N.Y, dei início ao  Girl Empowerment Group. O objetivo era criar um espaço onde um grupo incrível de raparigas, com as quais eu havia desenvolvido relacionamentos se sentisse valorizado, apoiado e preenchesse os espaços que a educação formal não lhes dava. Lemos livros que pertenciam às suas vidas e experiências, desconstruímos vídeos de rap, mantivemos diários, dançaram e atuaram em eventos locais. Organizámos festas com acompanhantes para adolescentes entediados na comunidade e viajámos para  Harlem a fim de visitar o Centro Schomburg de Pesquisa em Cultura Negra e participar da Celebração Kwanzaa no Teatro Apollo. No meio da diversão e atividades, o que mais me emocionou foram as nossas conversas sobre autoestima, as suas motivações para crescer e avançar na vida, e a troca de conhecimento num espaço íntimo. Eventualmente, os nossos laços foram reproduzidos visualmente nas fotografias em que trabalhámos juntas.
(…)
Sou atraída por questões de sexualidade e intimidade, trabalhando intuitivamente para criar imagens que têm a capacidade de ser esotéricas e ressoar com aquelas que estão na periferia. Essa instintividade é uma fusão da minha experiência vivida, da cultura negra popular, do cinema e do folclore.
(…)